Bem-vindo JoséBarros Navegante

Novo disco 12 de Janeiro 2018 Saiba mais...

Bem-Vindo JoséBarros Navegante

A Musica Navegante Saiba mais...

Contacto

Rua José A. C.Azevedo, 24, Ribeira de Sintra, 2710-464 Sintra
telef.+351 219 105 141
Tm +351 969 022 744
jbmardalua@gmail.com
josebarros1960@gmail.com

Discografia

Discografia

Bago De Milho

Romanças

Romanças

Bago de Milho

1986 - Bago De Milho

Romanças

1987 - Edição grupo Romanças/Discossete

Monte da Lua

1991 - Edição de Autor (grupo Romanças)

Navegante

Navegante

1994 - Edição Moviplay

Cantigas Partindo-se

1997 - Edição de Autor / dist. Ovação

Não Há Heróis

1999 - Edição Lusogram

Rimances

2001 - Edição de Autor/dist. Ovação

Rimances /Ed.L'E.Digitale/HarmoniaMundi

2002 -edição Francesa L'Eimprente Digital/Harmonia Mundi

Vivos. E Ao Vivo

2003 - Edição de Autor / dist. Ocarina

Mar Eterno

2006 - Edição de Autor / dist. Ocarina

Meu Bem Meu Mal

2008 - Edição de Autor / dist. Tradisom

Cantigas Tradicionais Portuguesas de Natal e Janeiras

2009- Edição de Autor

Cantares do Povo Português

2012 - DVD, Edição de Autor / dist. Tradisom

Novo Disco Maio 2017

2017 - Edição de Autor

José Barros e Mimmo Epifani

José Barros e Mimmo Epifani

Mar Da Lua (Portugal)

2016 - edição Autor (Portugal)

Mar Da Lua (Itália)

2016 - Edição Kurumuni (Sul-Itália)

Quatro Ao Sul

Colectânea Chansons Du Sud - Edição L'Empreint Digitale

Hino,Juntos Contra A Fome - Varios

Demudado Em Tudo

2013 - Edição de Autor / dist. Ocarina

Colectânea Chansons Du Sud

2002 - Edição L'Eimprent Digitale / Harmonia Mundi (França)

Colectânea Juntos Contra A Fome

2016 - Edição CPLP/Artistas CPLP

Festival Sete Sois Sete Luas

Festival Sete Sois Sete Luas

Festival Sete Sois Sete Luas

7Sois.MedKriol Orkestra

2013 - Festival 7Sois7Luas

Mazagão7Luas Orkestra

2015 - Festival 7Sois7Luas

7LuasCunfrontos Orkestra

Novo Disco JBNavegante…12 Janeiro 2017

Novo Disco José Barros Navegante
A 10ª edição discográfica JBNavegante estará disponível em 12 de Janeiro de 2017.
Em estúdio desde 2016, este próximo disco comemora em 2018 os 25 anos de existência e de trabalho do projecto (24 anos de edições - 1º disco em setembro de 1994), 10 edições e muitos espectáculos em Portugal e por esse mundo fora.
Será um disco diferente este que se avizinha: 11 temas originais de José Barros, com três parcerias nos textos: Amélia Muge, Teresa Muge e Camilo Pessanha. Os restante são de José Barros que assina ainda todas as músicas do novo disco.
Por ser um disco de originais, não tem pela primeira vez nos discos do JBNavegante temas tradicionais portugueses, mas tem, esperamos nós, a sonoridade de sempre: o som Navegante, os instrumentos tradicionais de corda portugueses, os ritmos tradicionais portugueses, a mesma forma de cantar, a mesma atitude dos músicos que fazem parte deste projecto e que mais uma vez serão os mesmos (com um ou outro convidado): Miguel Tapadas (pianos acordeão e sintetizadores); Abel Batista na bateria e percussões; Vasco Sousa (contrabaixo); Pedro Batalha (baixo eléctrico); Carlos SantaClara no violino. Depois os convidados (alguns já habituais): Rui Júnior (percussões); José M. David (flautas, acordeão e gaitas de foles); Rui Vaz (voz); G. Cantadores Aldeia Nova de S. Bento (coral); Mimmo Epifani (itália, bandolinista); Mario Salvi (Itália,organetto - concertina); Rão Kyao (flautas de cana); Armindo Neves (guitarra eléctrica); Miguel Veras (violas acústicas); João Frade (acordeão); Samuel, Carlos Alberto Moniz, Xuxu Repas, Pedro Casais, Andreia João entre outros...

José Barros...curriculo

José Barros...curriculo

Nasceu em Lisboa em 1960.Toca guitarra desde muito jovem e desde 1976 que percorre os palcos de todo o país.É por volta de 1980 que desperta para os instrumentos tradicionais portugueses de , como o cavaquinho, a viola braguesa, o bandolim, a viola campaniça, a viola beiroa e a viola da terra, que passam a merecer da sua parte uma maior atenção, estudo e dedicação, na aprendizagem de tudo o que tem a ver com o aspecto técnico ou etnomusicológico desses instrumentos.Paralelamente descobre o gosto pelos cantares tradicionais de todas as regiões do país.Frequentou a Juventude Musical Portuguesa , a escola do Hot Clube e a Academia dos Amadores de Música de Lisboa onde cursou a disciplina de Canto.Em 1983 é um dos fundadores do grupo BAGO DE MILHO ( realizando espectáculos por todo o País, Espanha, Moçambique, etc.) e grava o primeiro disco.Em 1986 é fundador do grupo ROMANÇAS, com o qual grava dois discos: “ROMANÇAS” (1988), e “MONTE DA LUA” (1991). Com este grupo participou em diversas tournées por Espanha, Canadá, França, Irlanda, Inglaterra, etc.Desde 1990 apresenta, conjuntamente com Rui Vaz (Gaiteiros de Lisboa) um espectáculo dedicado à viola campaniça e canto alentejano, CANTESUL, participando em espectáculos no país e no estrangeiro e que está na origem na criação do projecto QuatroAoSul em 2007, grupo com o qual ganhou o Prémio José Afonso em 2013.Colaborou com o grupo de música tradicional portuguesa “Ronda Dos Quatro Caminhos”, entre 1991 e 1994, gravou com Rão Kyao, Isabel Silvestre (projecto que dirigiu nos espectáculos ao vivo entre 1997/2000-Expo/98 em Lisboa por exemplo, e produziu e editou o ultimo disco, Cânticos da Terra e da Vida, que saiu a publico em Novembro de 2015) entre muitos outros. É responsável pelo projecto TRINADO, projecto criado em 1998 para a dinamização e divulgação dos instrumentos tradicionais de cordas, que tem apresentado em escolas secundárias e primárias sempre que a disponibilidade o permite, e projecto pessoal com o qual tem participado em inúmeras acções de divulgação dos instrumentos tradicionais de corda: 1º e 2º Encontro de Tocadores, em Nisa no Alentejo, E os vários Encontros de Violas de Arame em Castro Verde, Açoes, Brasil, etc....É o fundador e responsável pelo grupo José Barros e NAVEGANTE, trabalho que tem vindo a desenvolver desde 1992, cujas composições, adaptações e arranjos são de sua autoria, e com o qual gravou; em 1994, NAVEGANTE;em 1997, CANTIGAS PARTINDO-SE; 1999 NÃO Há HERÓIS; 2001 RIMANCES (editado em França e resto da Europa); Maio de 2003 o registo dos espectáculos realizados no final de 2002 no âmbito das comemorações de 10 anos de existência com o título:Vivos.E ao Vivo; grava em 2005/6 um novo disco, José Barros, Mar Eterno, a solo e não dedicado á musica tradicional portuguesa; faz parte do projecto internacional criado no âmbito do Festival 7Sois7Luas, La Gialleta, com musicos de Espanha (Ttukunak,) e Italia ( Mimmo Epifani,Giandomenico Caramia,Erasmo Treglia e Giuseppi Grassi); em 2008 edita Meu Bem Meu Mal, considerado um dos melhores discos do ano pela imprensa; em 2009 edita em conjunto com o jornal Público um disco de Cantigas Tradicionais Portuguesas de Natal e Janeiras; é convidado para director musical da 7SoisMedKriolOrkestra criada em 2011, com o qual edita "Castro Verde Ao Vivo"; edita o DVD Cantares do Povo Português, em 2012, registo dos 2 grandes espectáculos, uma criação e ideia sua, nos palcos do CCOlga Cadaval em Sintra em Novembro de 2011; em 2015, também no âmbito do Festival 7Sois7Luas dirige, grava e edita o projecto Mazagão7LuasOrkestra. Em 2017 o projecto  Navegante, comemora 23 anos de edição discográfica com novo disco em Maio.

A Musica

A Musica do Navegante

A Musica do Navegante pode ser definida como a criação ou recriação de temas tradicionais, respeitando as raízes de um passado recente e não esquecendo o presente. São estas as principais características do projecto Navegante.
O gosto pela musica tradicional das varias regiões de Portugal, país pequeno mas com uma grande variedade musical de região para região, são um dos elementos mais marcantes no trabalho do grupo, a par da inovação e criação de novos temas, assumindo influências aqui e ali com características mais ou menos tradicionais.
Apesar de os elementos do grupo Navegante viverem na cidade, com tudo o que os rodeia de modernidade e urbanidade, a procura da alma da música portuguesa (ou lá o que isso poderá, ou não, significar) é uma busca que não acaba nunca) pois como diria Almeida Garrett: ”Romanceiro....não o coligimos nunca...” e daí o seu interesse e fascínio.
Os instrumentos tradicionais portugueses são naturalmente  fundamentais na sonoridade do projecto, pois as composições e arranjos são pensados na sonoridade e potencialidades de cada um deles.
A viola braguesa, cavaquinho, bandolim, violino, acordeão ou concertina, flautas, gaitas-de-foles e percussões tradicionais portuguesas têm todo o espaço na nossa música, mas sempre em estreita ligação com outros, como o piano ou sintetizadores, bateria, contrabaixo ou baixo eléctrico, ou instrumentos de outras origens, outros países, outras latitudes mas sempre o mesmo encanto pelas culturas que nos inspiram.
O canto e a polifonia  tradicional portuguesa, talvez a expressão musical mais antiga, mais imediata e espontânea das artes do povo português, tem um papel fundamental neste projecto. O canto modal, que a tradição portuguesa regista, é uma das preocupações de maior respeito pelo que de mais genuíno a tradição popular nos transmitiu ao longo dos tempos.
A alegria, sempre tão ligada à música tradicional portuguesa, não tira espaço às composições de carácter religioso, às cantigas de trabalho, cantigas de amor ou de escárnio e outras, numa fusão de cores e sons, que são o próprio grupo, nas gravações ou espectáculos ao vivo.
Da música deste grupo se poderá dizer que é triste ou alegre, de amor ou de escárnio, de ambiência, de tempos novos ou velhos...
É, com certeza, música portuguesa..

O Grupo

O projecto José Barros Navegante

O projecto pessoal de José Barros, Navegante,  nasceu em 1993 e funde-se com o currículo do seu líder e fundador. De José Barros  Navegante poder-se-á dizer que nasce na sequência do trabalho iniciado com a fundação do grupo Bago de Milho (1983/86 — quatro anos de existência e um disco), do grupo Romanças (seis anos e dois discos ), e colaborações várias com outros grupos e projectos como por exemplo, Ronda dos Quatro Caminhos, Isabel Silvestre, Rão Kyao, etc…, tendo como elo comum a musica tradicional/popular portuguesa. A ligação de José Barros aos instrumentos de corda, ao canto polifónico e à música tradicional portuguesa em geral, seja em cursos de instrumentos tradicionais que tem dado por todo o país (e também fora do país) ou em gravações e espectáculos no país e estrangeiro, feita através de grupos por si fundados ("Bago de Milho", "Romanças") ou na produção musical de outros grupos desde 1983, dão a este projecto o enriquecimento e uma sonoridade que identifica a música portuguesa e a sonoridade do próprio grupo. Para isso muito contribuiu a passagem de todos os músicos que, com José Barros, têm trabalhado neste projecto.A edição do 3º CD Rimances editado pela L’Empreinte Digitale em França, com distribuição mundial, no dia 14 de Fevereiro de 2003 marca o inicio de uma nova etapa para o grupo. Em 2008, e com um novo disco Meu Bem Meu Mal editado em Maio, comemoram 15 anos com um espectaculo no dia 7 de Novembro no Centro Cultural Olga Cadaval em Sintra.Em Dezembro de 2009 lançam novo disco tematico, desta vez dedicado ás Cantigas Tradicionais Portuguesas de Natal e Janeiras.Nos dias 25 e 26 de Novembro de 2011, realizam 2 grandes concertos no CCOlga Cadaval em Sintra, do qual resulta o DVD Cantares do Povo Português, com edição em Abril de 2012.
O grupo Navegante são: José Barros, voz, viola, braguesa, campaniça, cavaquinho, bandolim; Miguel tapadas, piano,acordeão e viola, Vasco Sousa, baixo e contrabaixo, Abel Batista, bateria e percussão; Carlos SantaClara, violino.

Em 2018 comemoram 25 anos de existência e 24 anos de edição discográfica com a edição do 10º registo dicográfico no proximo dia 12 de Janeiro de 2018.

Este é um exemplo de uma secção da página inicial. As secções da página inicial podem ser qualquer página que não a inicial, incluindo a página que mostra os últimos artigos do seu site.